Detecção não invasiva de câncer

A displasia é o estado pré-canceroso do tecido humano servindo como ótima ferramenta para o tratamento precoce e a sobrevivência do paciente, porém a freqüente não observação dos tecidos do corpo humano, torna difícil a detecção clínica. Hoje, o diagnóstico baseia-se, em primeiro lugar, num reconhecimento visual dos tecidos que podem estar com câncer. Depois o tecido é submetido a biópsia e exame microscópico. Este procedimento além de invasivo tem a desvantagem de que a lesão nem sempre é realmente significativa para tal procedimento. Pensando niston a solução para o problema está sendo encontrada com o uso das técnicas espectroscópicas, a fim de mapear e diagnosticar a displasia, que tem sido desenvolvida pela School of Science, integrada no Massachusets Institute of Technology que colaborão para pesquisas em bio-engenharia do laboratório de espectroscopia GEORGE R. HARRISON, que trabalha para criar instrumentos que evitem as biópsias e atrasos nos tratamentos devido a diagnósticos demorados. Um dos instrumentos desenvolvidos por eles é um modelo portátil. Com a ajuda de um endoscópio, uma fina sonda de fibra óptica envia impulsos fracos de laser e luz branca comum sobre uma área de um milímetro de diâmetro. Os estudos são promissores para detectar alterações pré-cancerosas na bexiga, nuca, cólon, esôfago e cavidade oral, as quais na grande maioria eram invisíveis para o olho humano. Os cientistas envolvidos no desenvolvimento desta nova tecnologia acreditam que em poucos anos haverá maior facilidade para realizar o diagnóstico desta doença.

Artigo escrito originalmente por Eva Börner,
no Dental Tribune Internacional
de março/abril de 2005
Artigo escrito novamente para publicação na sbnc
por ALEXANDRE VIDAL CUCURULL PUIG

Veja todos os artigos de

Outros artigos

Ninguém resiste a mudar o que é melhor para si

O que você faria se cumprisse a tarefa de correr, correr e correr até ficar a dois metros da linha de chegada e deparar-se com uma muralha de concreto colocada...

Quando eu devo levar a criança para exame ocular?

Não há idade fixa para ir ao oftalmologista! Recém-nascidos que apresentem fotofobia, olhos vermelhos ou com secreção, pupila branca, lacrimejamento constante, estrabismo ou olhos esbranquiçados devem ser levados de imediato....

Curiosidades do mundo

1) Cientistas de Glasgow estão desenvolvendo 3-D. Esta tecnologia permitira obter imagens tridimensionais detalhadas da dentição dos pacientes enquanto eles aguardam a consulta. Com esta tecnologia o profissional detectara sinais...

Integração sensorial e distúrbios escolares

À aproximadamente 40 anos, A Jean Ayres, terapeuta ocupacional, americana empenhou-se em tentar descobrir as razões que fazem com que a criança não consiga aprender como as outras e os...

A gerência do pensamento

Acesse o PDF  clicando aqui

...

Disfunções Masseterinas em Fibromiálgicas de Caratinga-MG

O presente trabalho teve como objetivo avaliar a prevalência de disfunções no músculo masseter em pacientes fibromiálgicas bem como produzir uma evidência científica relevante para futuros trabalhos. Foram incluídas 80...