Quiropraxia: a sua História e a sua Metodologia

Desde tempos imemoráveis o homem tem utilizado das mãos, um dos métodos mais conhecidos e largamente empregado nas práticas terapêuticas dos clínicos de todas as épocas.

Na narrativa histórica milenar notamos que a Quiropraxia era cuidadosamente, Hebreus, Persas e Babilônicos, tinham algum conhecimento desta arte, ainda que praticada de forma incipiente e não mediante protocolos reconhecidamente científicos. Os Gregos (Romanos e Árabes) identificaram os princípios básicos e fundamentais e descreveram e registraram os valiosos e sábios conhecimentos adquiridos, lançando os fundamentos desta ciência para o mundo.

Deste modo, verificamos que a Quiropraxia é uma herança e uma verdade científica desenvolvida durante muitos séculos.

Para Hipócrates, a arte e a ciência da Quiropraxia confirmam a verdadeiramente ciência. Ele, repetidamente advertida que “é mais importante conhecer a natureza da coluna vertebral, o que deve ser um propósito natural, … obtendo-se o conhecimento indispensável para diagnosticar as muitas enfermidades”. E, prosseguia, dizendo: “… a negligência para com a coluna vertebral, quando a vértebra está descolada, resulta em sérias e permanentes complicações”.

DANIEL DAVID PALMER, considerado o PAI da Quiropraxia, um professor Canadense, desenvolveu esse conhecimentos e criou a moderna Quiropraxia nos Estados Unidos da América, em 1895, tendo publicado “THE SCIENCE AND ART OF CHIROPRACTIC”, obra referencial para aquela que viria a ser uma das profissões mais almejada e promissora na área da saúde.

Passados mais de 100 de anos da revelação da Quiropraxia para o mundo, o legado de PALMER chega ao século XXI, representado por escolas e universidades, centros quiropráxicos e profissionais especializados, modernas indústrias de equipamentos e produtos complementares, editoras e milhões de pessoas que se beneficiam diariamente dos procedimentos concebidos por aquele que, para alguns de sua época, não passava de um louco ou visionário. Felizmente, a história nos garante que sempre haverá amanhãs.

No Brasil, a Quiropraxia foi introduzida em 1922 pelos norte-americanos, Dr. Willian F. Fipps, D.C., o qual foi sucedido após 1945, pelo Dr. Henry Wilson Young, D.C., ambos estabelecidos na cidade de São Paulo, constituindo-se nos pioneiros da introdução desta filosofia, arte e ciência em nosso país.

Já em 1958, por inspiração e iniciativa de Dr. Henry Wilson Young, foi firmado um convênio entre a Associação de Renovação Biológica (ARB), de Curitiba, PR, e a University of Natural Healing Arts, de Denver, CO, EUA, tendo início o primeiro curso de Quiropraxia no Brasil.

 

 

Lamentavelmente, face dificuldades políticas havidas no início dos anos 60 em nossa pátria, o curso foi encerrado após a formação e graduação da primeira e única turma de Quiropraxistas, representada por 28 profissionais que receberam o título de Doutores de Quiropraxia (Doctor of Chiropractic ou D.C.), dentre os quais destacava-se o jovem Doutor M.Matheus de Souza, sendo o único profissional remanescente em atuação, desta histórica turma. Repetindo a saga de PALMER, MATHEUS revelou-se um dos mais dedicados estudiosos e competentes profissionais, assumindo naturalmente a condição de líder e maior expoente da Quiropraxia no Brasil nos tempos difíceis que se seguiram.

Quiropraxia apresenta aspectos singulares de sua abordagem na ênfase elaborativa do complexo das subluxações, relacionados as manifestações neurológicas e musculares, revelando o seu sinergismo aplicado a prática clínica.

Na área da saúde pode-se dizer que a principal referência sobre os diferentes aspectos de biomecânica, patofisiologia, diagnoses e tratamentos das síndromes relacionadas, desta nobre filosofia que fundamentada a ciência da arte de curar com as mãos, concebida por PALMER e sustentada no Brasil por MATHEUS.

Historicamente, em português, o primeiro termo a ser usado para definir a profissão foi Quiroprática, uma vez que é a tradução literal de Chiropractic, palavra que identifica essa atividade nos países de língua inglesa e cujos fundamentos nos serviram de base e inspiração para o desenvolvimento desta atividade no Brasil. No entanto, nas línguas latinas quando se associa a palavra prática a uma atividade qualquer, parece tratar-se de uma profissão adquirida apenas pela prática, não havendo necessidade de estudos formais nem de treinamento específico para exercê-la.

 

 

Para evitar esse equívoco, a partir de 1965 decidiu-se adotar o termo Quiropatia por identidade ou afinidade fonética a outras profissões, também na área da saúde, como Homeopatia, Alopatia, Osteopatia, Isopatia, etc.

Com a vinda de novos profissionais dos EUA a partir de 1992, convencionou-se usar o termo QUIROPRAXIA uma vez que estaria mais de acordo com a origem grega do nome. Isto significa que em português possuímos três grafias com o mesmo significado.

O princípio básico é o de que um procedimento deve ser reproduzível por qualquer indivíduo que tenha sido treinado e desenvolvido experiência nesse procedimento. Parece que a Quiropraxia, às vezes, trabalha com “padrões de energia” muito sutis do corpo. Parece também que alguns indivíduos podem empregar técnicas terapêuticas aparentes, obtendo resultados que não são conseguidos por outros, embora tais procedimentos possam ser válidos para aquele indivíduo em particular, não podem ser ensinados a outros que não tenham as mesmas habilidades e matrizes mentais. Isto nos leva a classificar as técnicas terapêuticas em duas categorias básicas:

Aquelas que funcionam para qualquer indivíduo treinado na atividade; e

Aquelas que operam no princípio das matrizes mentais e dependem de imagens mentais poderosas, entrando no domínio das técnicas parapsicológicas.

 

 

Quiropraxia registra de modo definitivo que o código genético representa o projeto individual de cada ser vivo e possui também, todas as informações necessárias para manter a plenitude de manifestação durante um determinado espaço de tempo, significando, portanto, que cada organismo tem um potencial de recuperação extraordinário que se expressa através de um pleno fluxo de informações e que no ser humano, transmitam preferencialmente pelo Sistema Nervoso em cada célula do corpo. Esse potencial simplesmente espera pelas mãos, coração e mente do quiropraxista, para torná-lo ativo e propiciar a recuperação possível, tornando a vida digna de ser vivida, pois é a herança natural do homem viver em plenitude. Beneficiando a todo aquele que procurar um quiropraxista com expectativa e confiar no corpo deste profissional, os seus cuidados; e beneficiando ao paciente, os conhecimentos adquiridos nos cursos, atuando com certeza dos resultados e por que deve ser feito com sucesso e profissionalismo.

 

Aplicar os procedimentos da Quiropraxia significa liberar entradas e saídas do fluxo interno de informação no organismo, a fim de reduzir a entropia e incrementar as capacidades homeostáticas de manutenção do equilíbrio orgânico, resultando na recuperação ou manutenção da saúde, que equivale a um nível adequado de informação. Repetindo, saúde equivale a um nível adequado de informação, entropia mínima.

 

O corpo humano é dotado de certas qualidades inerentes, naturais, que visam propiciar a proteçãomanutenção e recuperação da saúde individual, de conformidade com o modelo genético impresso no seu DNA, desde o momento da fecundação.

Destas qualidades, a função normal do sistema nervosotransmissor e receptor desta ressonância genética, é principal força integrante. A partir disso, conclui-se que, quando a transmissão e expressão normal da energia nervosa recebem qualquer tipo de interferência, em especial nas articulações, seja no esqueleto axial (coluna vertebral) ou no apendicular (demais articulações), podem se desenvolver processos patofisiológicos.

sistema nervoso, portanto, é o agente que libera entradas e saídas do fluxo de informação no organismo, para a manutenção do equilíbrio orgânico.

A ciência quiropráxica preocupa-se com o relacionamento no corpo entre a estrutura (sistema músculo-esqueletal), comandada principalmente pelo sistema nervoso, visto que esse relacionamento pode afetar a comunicação necessária para a manifestação, preservação e recuperação da saúde.

 

 

Quiropraxia é a disciplina, dentro das artes naturais ligadas à saúde, que se preocupa com etiologia, patogênese, terapêutica e profilaxia dos distúrbios funcionais, estados patomecânicos, síndromes de dor e outros efeitos neurofisiológicos relacionados com a estática e a dinâmica do sistema neuro-músculo-esqueletal, relacionados a todas as articulações axiais, apendiculares e crânio-faciais.

A aplicação desta ciência e arte quiropráxica refere-se a qualquer serviço prestado por um quiropraxista, para exercer a profissão, cujo objetivo é recuperar e manter a saúde.

Veja todos os artigos de

Outros artigos

Biologia molecular dos tipos psicológicos de Carl Gustav Jung

RESUMO Desde que Jung publicou seu clássico livro sobre os Tipos Psicológicos, sua terminologia entrou para a consciente e o inconsciente coletivo da humanidade. Hoje é muito comum se falar que uma...

Psicanálise e Neurociência

Freud começou sua vida profissional como neurologista. Fez  pesquisas neuroanatomicas, e escreveu três monografias sobre paralisia cerebral infantil. No inicio de sua carreira, atendeu pacientes, como neurologista. No tempo de...

Os vários sons de cada tempo

Você já parou para ouvir os sons de seu tempo? Quais seriam as sonoridades características dos dias em que a gente vive no presente?          Falo de som me referindo...

Entrevista com Marco Antonio Chimento

Marco Antonio Chimento, qual é sua formação? Sou Psicólogo clínico, pós graduado em Psicossomática e Psicoterapia de Casal e Família; com Especialização em Terapia Corporal e Sexualidade Humana; leciono em...

O que é Hidroterapia?

A hidroterapia é uma modalidade terapêutica utilizada há muitos anos para tratamento de acidente vascular encefálico (erroneamente chamado de derrame cerebral), fibromialgia, artrose, paralisia cerebral, pós-operatórios ortopédicos, doenças neuromusculares, etc....

O desenvolvimento motor no primeiro ano de vida

Do 1 ao 3 mês – para de chorar quando alguém a acolhe; – comunica suas necessidades através do choro; – segue objetos com os olhos; – brinca com as...