Memória ativa

Você já passou pela experiência de ser abordado por uma pessoa conhecida e não lembrar do nome dela? Você já sentiu a sensação de esquecimento quando estava fazendo uma prova, e a informação que você precisava não aparecia na mente? Você já vivenciou algum momento de “branco” quando estava falando diante de uma platéia? A memória plena é aquela resultante de uma forte e rica rede de associações ou representações que você programou em seu cérebro. Para manter sua memória saudável é preciso criar redes de associações que se formem com vínculos entre os sentidos.

O segredo está em saber como usar simultaneamente as informações sensoriais que chegam ao cérebro. Não há fórmula mágica. Usando a combinação e associação de informações visuais, auditivas e cinestésicas você cria uma rede de segurança neural que forma e retém informações para longo prazo. Um exemplo simples: faça agora a prova do vestibular que você fez alguns meses/anos atrás.

Você teria o mesmo desempenho se respondesse a prova agora? Pegue agora uma bicicleta, e suponha que já faz mais de um ano você não anda de bicicleta, e você começa a pedalar. Qual seria o resultado? Quando você estudou para fazer a prova, você usou com maior predominância o hemisfério esquerdo do cérebro, e provavelmente, poucas associações sensoriais. Para andar de bicicleta você teve que aprender usando todos os canais sensoriais: visão, audição, tato, olfato e mais algumas sensações emocionais.

Como ter uma memória ativa? Como facilitar a qualidade de retenção de informações? Algumas dicas que podem facilitar a memória de longo prazo:
1- Tenha um estado de curiosidade quando tiver que guardar alguma informação. Pense num bebê pegando um chocalho, ele vai olhá-lo atentamente, envolvê-lo com os dedos com total atenção. Imagine-se fazendo o mesmo com a informação.

2– Use todos os seus sentidos. Combine as informações sensoriais – transforme a ocasião de aprendizado em experiência sensorial. Veja, ouça, sinta, associe visualmente, sinta o cheiro etc. Por exemplo, quando você conhecer outra pessoa, repita o nome dela, associe a imagem dela com o nome, ao apertar a mão preste atenção na intensidade do toque. O cérebro absorve rapidamente as informações multisensoriais.

3– Durma bem, porque uma boa noite de sono possibilita uma memória eficiente.

4– Tenha uma postura corporal pró-ativa quando estiver aprendendo algo. Se você melhora a postura, você melhora o estado emocional. A retenção de informações depende de um sentimento positivo.

Existem diversas outras formas de ampliar sua capacidade de reter informações. É preciso sair da rotina e usar de forma diferente o cérebro. Exercite essas dicas e você perceberá que a sua percepção também mudará. Lembre-se, percepção ampliada é memória reativada.

Veja todos os artigos de

Outros artigos

Imagem mental

Você já deve ter escutado a expressão: “o ser humano não usa nem 10% de seu cérebro”. Ainda hoje alguns desavisados falam sobre, como se isso fosse verdade. Nós usamos...

1º passo: exercício de desidentificação do ego

Instruções sugeridas: toda manhã e toda noite, durante 21 dias, você deve repetir essas afirmações três vezes em voz alta, até que penetrem totalmente na sua mente consciente e subconsciente....

Ninguém resiste a mudar o que é melhor para si

O que você faria se cumprisse a tarefa de correr, correr e correr até ficar a dois metros da linha de chegada e deparar-se com uma muralha de concreto colocada...

A atuação da fisioterapia na Doença de Alzheimer

Um dos grandes mistérios da ciência que ainda causa muitas repercussões entre os cientistas é o envelhecimento do ser humano, este faz parte do ciclo natural da nossa existência, mas os seus...

Neurocisticercose

A neurocisticercose (NCC) é definida como uma infestação do sistema nervoso central (SNC) pelo estágio larval do verme intestinal Taenia solium. A contaminação ocorre pela ingestão dos ovos deste parasita,...

A revolução das emoções

“Não gostar de emoções negativas é tão útil quanto não gostar de inverno. O inverno virá você querendo ou não, assim como as emoções. Melhor do que gostar ou não...