Aposentadoria é o fim da vida?

Freud foi sem dúvida um otimista produtivo, mas pessimista quando declarou que o método psicanalítico se aplicava às pessoas de até quarenta e cinco anos de idade, visto que a partir dessa idade a quantidade de material acumulado ao longo da vida era tal, que se tornava impossível uma abordagem psicanalítica. Era época em que a média de vida girava pelos cinqüenta anos.

É claro que existia uma demanda decorrente do sofrimento neurótico em todas as idades e se Freud tivesse continuado pensando na clínica psicanalítica em termos de alívio de sintomas, não teria imposto esta limitação.

Embora hoje, seja muito comum o atendimento de clientes bem mais velhos que os preconizados por Freud, a maioria dos psicanalistas tem-se calado frente à questão do envelhecimento.

Mas é chegada a hora de se propor a uma teorização para revelar o sentido da terceira idade.

A população idosa brasileira vem aumentando desde a década de 1950, quando apenas 4% dos brasileiros tinham mais de 60 anos. em 2005 15% da população brasileira tinha mais de 60 anos de idade e ainda, que esta em 2025 será a sexta maior população idosa do mundo, com cerca de 32 milhões de pessoas acima de 60 anos (Shouri Jr. et. al., 1994).

Frente a esses dados, parece haver uma necessidade de novos olhares para os idosos, de uma forma a que se comece a pensar em como aproveitar esta fase da vida. Essa preocupação é amplamente estudada na Psicologia Evolutiva, mas se preocupa somente no sentido de que as atividades de lazer necessitam estar em evidência, mas o certo é que a adaptação frente a uma nova fase de vida é a maior dificuldade enfrentada pelos idosos, pois fica a pergunta, será mesmo que é somente lazer que o idoso quer?

A pessoa idosa, na maioria dos casos, começa a formar de si mesma uma imagem negativa, resultante de um conjunto de idéias e atividades vindas da sociedade. Assim, a certa altura da vida, o indivíduo aceita sentir-se velho, significando que ele já não é mais o que costumava ser, e para piorar, juntamente com as várias limitações impostas pelo envelhecimento, vem paralelamente à aposentadoria, que atrapalha financeira, psicológica e socialmente a estrutura do idoso. Muitos chegam a pensar que a velhice é sinônimo de doença e fraqueza, e que tanto o vigor físico como a saúde jamais estará à sua disposição.

É necessário que se modifique essa visão, e considere que para o indivíduo idoso, na aposentadoria, a vida não acabou, apenas terminou uma fase, portanto há ainda outras fases a viver ativamente, e com certeza não é fazendo ginástica, excursões ou trabalhos manuais, alegando que isso é qualidade de vida para o idoso até que a morte chegue após 15 ou 20 anos, por isso costumo dizer que há pessoas que morrem aos 50 anos e são enterradas aos 80 anos ou mais.

E se continuar assim, tomara que num futuro próximo haja bancos suficientes nos jardins, para acomodar todas essas pessoas.

Na tentativa de modificar essa fase de vida, foi criada a faculdade da terceira idade, muitos idosos a estão freqüentando, mostrando que tem capacidade para continuar aprendendo, e depois? Irão ser aproveitados em algum trabalho relacionado com este aprendizado? Este aprendizado os leva a um trabalho compatível com as limitações da idade? Positivamente isso prova que o idoso não perde a capacidade de aprender, e isso mantém seu cérebro processando novas informações. Se o cérebro não é ativado com novas informações, o que geralmente acontece é que, ao se aposentar, o indivíduo não é mais requisitado a utilizar sua memória recente, conhecida como memória de trabalho, e que se refere a fatos do cotidiano. Sem se submeter à correria do dia-a-dia, que exige a realização de muitas tarefas, essa função é praticamente descartada pelo cérebro. Ele, então, dá prioridade a outro tipo de memória, a remota, que o remete a lembranças do passado distante. Quanto mais ativo o cérebro se mantiver, menor será o número de sinapses (ligações entre os neurônios) perdidas por causa do envelhecimento.

A tão sonhada aposentadoria não pode representar simplesmente parar de trabalhar, e sim a troca de ocupação por uma mais agradável. Para isso, é preciso investir e se preparar evoluindo em busca da especialização.

O ideal é que a busca por uma velhice saudável comece antes e não depois que os anos começam a pesar. Ou seja, a pessoa deve programar-se para envelhecer e não ser tomado de surpresa pela aposentadoria.

Investimento, embora seja uma palavra arraigada a finanças, pode muito bem fazer parte do vocabulário de quem prepara o terreno para que solidão e marasmo passem longe da velhice. Investir nas relações sociais, em atividades extra-profissionais e no próprio equilíbrio emocional é fundamental.

Quem passa a maior parte da vida adulta voltado para o trabalho tende a sentir-se inútil quando chega a aposentadoria. E por falar em aposentadoria, esta deve ser vista não como um período em que a pessoa tem tempo para fazer tudo aquilo que o trabalho não permitia. O que está terminantemente proibido é entregar-se ao ócio.

São inúmeros os exemplos de pessoas que continuam a ter uma vida produtiva e criadora mesmo após terem entrado no estágio da vida em que são consideradas idosas. Em muitos casos, é neste período que se dá a sua contribuição mais significativa para a sociedade. Seja voce também integrante desse grupo.

Veja todos os artigos de

Outros artigos

De onde surgiu o Sparol Tape e como funciona?

É uma terapia com fitas adesivas. A terapia começou a ser desenvolvida no Japão há 20 anos, é muito estudada e constantemente melhorada. Seu descobridor observou que o sentido de...

Dois tipos de emoção e sentimento

O comportamento humano é orientado, basicamente, para a busca do prazer ou para o afastamento da dor. Nossas emoções e sentimentos fazem com que busquemos algo satisfatório, ou então fazem...

Biologia molecular dos tipos psicológicos de Carl Gustav Jung

RESUMO Desde que Jung publicou seu clássico livro sobre os Tipos Psicológicos, sua terminologia entrou para a consciente e o inconsciente coletivo da humanidade. Hoje é muito comum se falar que uma...

Educação e Neurolingüística

Professor José Zaib, em entrevista concedida à Revista Educação Hoje REVISTA EDUCAÇÃO HOJE – Quem é José Zaib? A Formação: Psicólogo, Bacharel e Licenciado em Psicologia pela Universidade Gama Filho...

Afternoon ou Late?

Quando comecei o ensino em língua inglesa, não imaginava o fascínio que essa atitude me traria. Hoje percebo que os muitos anos e livros que estudei nada são, comparados a...

Memória ativa

Você já passou pela experiência de ser abordado por uma pessoa conhecida e não lembrar do nome dela? Você já sentiu a sensação de esquecimento quando estava fazendo uma prova,...